Inaceitável! Mulher foi flagrada batendo na cabeça de um bebê com deficiência por causa de uma fralda suja

É revoltante a forma como ela bate e insulta a menina!

A cada notícia de maus tratos infantil, nos surpreendemos com a maldade de certas pessoas que cometem tais covardias. É de fato muito revoltante saber que uma criança indefesa, que deveria receber carinho, foi espancada por alguém que o pai e a mãe contratou para tomar conta.

Até onde vai a maldade do ser humano?

Cenas de um vídeo em que é possível ver uma mulher agredindo um bebê deficiente batendo na cabeça da criança é revoltante. O motivo da violência foi uma fralda suja.

A crueldade das agressões ocorreu dentro de uma creche, a mulher foi flagrada graças a ação deu ma funcionária, colega de trabalho, que também se revoltou com o absurdo dos maus tratos.

Durante as agressões, a mulher grita chamando a menina de”estúpida” por ter feito as necessidades na fralda, o que é natural nos bebês, para isso usam fradas até a fase em que já podem usar o troninho e o banheiro.

A funcionária da creche, após ter batido com uma pesada mochila dando golpes na cabeça do bebê, trocou a fralda e voltou a bater.

Esse tipo de conduta é inaceitável e serve de alerta para os pais, sempre observe as crianças, verifique o corpo e preste atenção as mudanças de comportamento.

A violência ocorrida dentro da creche aconteceu em Joanesburgo,na África do Sul. Foi apurado que o responsável pela creche é um médico. A agressora do bebê foi demitida, pois se trata de uma pessoa totalmente cruel e despreparada, além disso, a o caso está sendo conduzido pelas autoridades.

A Sociedade Americana para o Cuidado Positivo das Crianças acompanha casos de maus tratos de crianças em creches e a avaliação não é animadora. Segundo o órgão, aproximadamente 7,4 milhões de crianças em todo o mundo são vítimas de abuso, com base nos registros.

Inaceitável! Mulher foi flagrada batendo na cabeça de um bebê com deficiência por causa de uma fralda suja
Gostou desse artigo?

Recomendados Para Você: