Corpo de bebê vítima da tragédia de Brumadinho é identificado

O corpo de Heitor Prates Máximo da Cunha, de um ano e seis meses, foi identificado pela Polícia Civil de Minas Gerais. O bebê está entre os 182 mortosconfirmados do rompimento da barragem da Vale, no dia 25 de janeiro, em Brumadinho.

A identificação do corpo do menino foi incluída na lista divulgada pela Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (28). De acordo com o avô da criança, após a identificação, o enterro foi realizado na terça-feira (26).

O pai Robson Máximo Gonçalves, e a tia Pâmela Prates da Cunha, que morreram na tragédia, também já tiveram os corpos enterrados.

Resgate da Mãe

Paloma Prates da Cunha durante o resgate no lamaçal e 8 dias depois. Após 4 dias internada, está com o nariz e o osso esterno (peito) quebrados e o corpo cheio de hematomas, escoriações e cortes — Foto: Carlos Amaral/G1

Paloma Prates da Cunha durante o resgate no lamaçal e 8 dias depois. Após 4 dias internada, está com o nariz e o osso esterno (peito) quebrados e o corpo cheio de hematomas, escoriações e cortes — Foto: Carlos Amaral/G1

Um dos momentos mais impactantes da tragédia foi o resgate da mãe de Heitor. Paloma Prates da Cunha, de 22 anos, mal conseguia se mexer para segurar a corda atirada por um funcionário da Vale. Ela conta que estava muito cansada, não conseguia se movimentar e estava com muita dor no peito.

'A única coisa que queria era ter minha família', diz sobrevivente de Brumadinho

‘A única coisa que queria era ter minha família’, diz sobrevivente de Brumadinho

Poucos dias após o resgate, Paloma conversou com a apresentadora Ana Maria Braga e na entrevista demonstrava esperança de encontrar a irmã e o filho.

A auxiliar de cozinha foi levada ao hospital e ficou quatro dias internada. Em casa, ela ainda se recupera do nariz e do osso esterno (peito) quebrados, e dos ferimentos no corpo. Passado mais de um mês da tragédia, ela falou que quando se deu conta que a barragem tinha se rompido não teve tempo nem de pegar uma foto dos melhores momentos da sua vida. Em entrevista ao MG1, na última segunda-feira (25), Paloma disse que às vezes pensa que está sonhando e que vai chegar em casa e encontrar a família dela, mas desabafa. “Eu não vou escutar o meu filho me chamando de mãe”.

Corpo de bebê vítima da tragédia de Brumadinho é identificado
Gostou desse artigo?

Recomendados Para Você: